A relação entre a CNV e a Resiliência

A CNV – Comunicação Não Violenta – ajuda a melhorar nossos relacionamentos e venho estudando como podemos utilizá-la junto a outras áreas, dentre elas a resiliência, que é a capacidade ou habilidade que o indivíduo tem de lidar com as situações de estresse elevado com segurança e proteção.

Alguns meses atrás, os Diálogos Corajosos, com Sven Archangelo e Carolina Cassiano, fizeram um vídeo colocando cinco formas de entendermos a CNV e neste artigo farei uma correlação com a resiliência.

  1. A CNV é uma forma que nos ajuda a nos comunicarmos melhor, a melhorar os relacionamentos, a aprender a falar de forma mais tranquila, sem machucar a nós mesmos e aos outros e sem nos ofender. Dentro da resiliência, os MCD’s – Modelo de Crença Determinante que estão ligados a essa forma da CNV é o AUTOCONTROLE, que é a regulação das emoções de modo a favorecer as negociações, promover um ambiente emocional agradável e facilitar as relações interpessoais. Ele gera tranquilidade, segurança nas relações de um modo geral, consegue estabelecer julgamentos com a correção emocional e é capaz de inovar nas formas de se relacionar, buscando um bom clima interpessoal e ANÁLISE DE CONTEXTO, que é a capacidade de perceber no ambiente os problemas, os conflitos e as situações de adversidades presente e poder gerenciar as informações no contexto e focar em soluções.
  2. A CNV é um caminho para criar uma ponte com o outro mesmo na briga. Ela nos proporciona uma lente para olhar o que está além do aparente; por exemplo, o que está por trás do comportamento do outro e que nos causa irritação. Dentro da resiliência, o MCD que está ligado a essa forma de CNV é a EMPATIA. Nesse MCD será importante também se conectar com sua autoempatia e verificar o que existe de comum entre você e o outro. A empatia é a habilidade de se comunicar com o outro com significado; é estar presente; é ter uma escuta ativa ou empática e poder perceber as reais necessidades e objetivos do outro, ou seja, o que está além das palavras. Com a empatia criamos uma conectividade, uma aproximação com o outro, estabelecendo uma comunicação com reciprocidade entre as pessoas envolvidas. Outro MCD da resiliência que tem relação com essa forma de comunicação é CONQUISTAR E MANTER PESSOAS, que é a capacidade de conquistar novos relacionamentos, criar vínculos e uma rede de apoio; é poder se conectar com novas pessoas sem receios ou medo de fracassar nas aproximações. Em várias ocasiões, conhecemos pessoas com as quais logo de cara criamos um bloqueio e essa área permitiria ver, ao invés das diferenças, o que existe de comum.
  3. Outra forma de entender a CNV é perceber que ela é um caminho de autoconhecimento, ajudando a trazer as emoções à consciência e a identificar o que a pessoa precisa. Dentro da resiliência, o MCD ligado a essa forma de CNV é a AUTOCONFIANÇA, que é a crença de que possuímos recursos, habilidades e capacidades para resolver grandes problemas. É trazer à consciência os talentos que temos dentro de nós que nos ajudam a lidar com as situações de estresse elevado; é sair do piloto automático e ter consciência de nós mesmos.
  4. CNV é um jeito de entrar em contato com a sabedoria do corpo, pois ele é soberano e nos dá sinais a respeito dos sentimentos e das necessidades atendidas e não atendidas antes mesmo que a pessoa tome consciência. Dentro da resiliência, o MCD ligado a essa forma de CNV é a LEITURA CORPORAL, que é a área de visão do próprio corpo; identificar quais alterações ocorrem no corpo diante de situações de tensão; é conhecer seus limites, buscar uma qualidade de vida para a preservação da saúde física, percebendo as mudanças decorrentes do estresse e que se regulam por meio do sistema nervoso e muscular.
  5. Na prática de desenvolvimento espiritual, você contata sua essência; ela ajuda a desenvolver mais resiliência e paz interior. Dentro da resiliência, o MCD ligado a essa forma de CNV são dois: o (1) OTIMISMO PARA VIDA, que é a crença que reflete o investimento contínuo no entusiasmo e na convicção de poder controlar o destino dos eventos mesmo que o poder de decisão esteja fora de nossas mãos. Esse modelo está relacionado à esperança, com bom humor e entusiasmo, e o olhar a vida sob outra perspectiva. É ver o copo mais cheio do que vazio e a adversidade com criatividade; (2) SENTIDO PARA VIDA é o modelo que se relaciona com a crença de que a vida tem um sentido maior; é acreditar nos recursos que transcendem seu próprio limite. Tem a clareza do propósito vital à preservação da vida. Nesse modelo é possível encontrar um rico sentido para se engajar em projetos e atividades, para praticar a contemplação e a visualização de cenários futuros e saber onde se deseja chegar na vida.

Cultivar a CNV – Comunicação Não Violenta é um caminho para termos relações com mais sintonia e conexão; e se a ela aliarmos a resiliência, ampliaremos a forma de entendê-la e praticá-la diariamente.

Se você deseja se familiarizar com a CNV – Comunicação Não Violenta, adquira o livro do Marshall Rosenberg clicando aqui.

 

Referências

Vídeo 5 formas que você pode entender o que é CNV, Diálogos Corajosos

Material da Formação do Coaching em Resiliência – Sobrare

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *